Disciplina: TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES E GESTÃO EM SAÚDE – TOGS - 2020

  • Nome/título
    TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES E GESTÃO EM SAÚDE – TOGS - 2020
  • Responsável
    Rosemarie Andreazza - professora associada - pós-doutora em sociologia da saúde
  • Corpo Docente
    Luiz Carlos de Oliveira Cecilio - livre-docente
    Lumena Furtado - doutora
    Mariana Arantes Nasser - doutora
  • E-mail para contato
    andreazza@unifesp.br
  • Início - inscrição
    2020-02-03
  • Término - inscrição
    2020-03-06
  • Início - curso
    2020-03-12
  • Término - curso
    2020-06-04
  • Local
    anfiteatros da Unifesp-EPM
  • Dias e Horários
    quinta-feira 8 - 12h30 (M) e 13h30 - 18h (T) 10 encontros presenciais e 10 de leitura
  • Vagas/ Número máximo de alunos
    30
  • Carga horária - Teórica
    65
  • Carga horária - Prática
    10
  • Carga Horária Total
    75
  • Creditos
    5
  • Critérios de ingresso
    - alunos regularmente matriculados no PPGSC e outros programas
    - ouvintes
  • Ementa
    A disciplina parte da caracterização e crítica da abordagem estrutural-funcionalista e sistêmica das organizações, por entendê-la como ainda hegemônica nos vários modelos de gestão que são discutidos contemporaneamente, inclusive para as organizações de saúde. Considerando que tal abordagem, apesar de predominante, é insuficiente para dar conta da complexidade da gestão em saúde, delimita alguns aspectos do debate atual da teoria da organização e explora algumas possibilidades alternativas, com particular ênfase na produção crítica na área da saúde. Com os objetivos:
    ¥ apresentar o paradigma estrutural-funcionalista da organização, criticando seus fundamentos; 
    ¥ apresentar elementos para construção de uma teoria organizacional crítica, a partir de cinco mapas teórico-conceituais (As múltiplas dimensões do cuidado em saúde como guia da gestão do trabalho e da gestão em saúde; Organização, Instituição e análise institucional; Teoria Geral da Administração: A crítica ao estrutural-funcionalismo; Autoridade e poder na organização; O trabalho em saúde: trabalhador moral, trabalho vivo, trabalho imaterial, prazer e sofrimento no trabalho, trabalho interprofissional) utilizando-os para análise de algumas situações do cotidiano dos serviços de saúde e de práticas e achados de pesquisa.  
    ¥ propiciar reflexão sobre os desafios da gestão dos serviços de saúde.
  • Avaliação de aprendizagem
    ⎯ Aulas expositivas e dialogadas (presenciais);
    ⎯ Análise de cenas, de narrativas e de pesquisas realizadas na área
    ⎯ Seminários.
    Avaliação da aprendizagem:
    a. participação nos seminários;
    b. narrativa de cenas do cotidiano de serviços de saúde tendo como base os elementos teóricos -conceituais apresentados na disciplina;
    75% de presença é obrigatória
  • Conteúdo Programático
    Apresentação dos participantes e da disciplina

    Como vamos trabalhar: “nosso contrato”

    Primeiro mapa teórico-conceitual: As múltiplas dimensões do cuidado em saúde como guia da gestão do trabalho e da gestão em saúde
    Narrativas de vida: o usuário fala
    O triângulo de Governo de Matus

    Segundo mapa teórico-conceitual: Organização - instituição e análise institucional
    Análise da narrativa: “valho menos que um cachorro”.
    Análise de duas cenas da pesquisa em hospitais de pronto-socorro
    O Hospital: como instituição e como organização

    Terceiro mapa teórico-conceitual: teoria Geral da Administração - A crítica ao estrutural-funcionalismo
    A crítica ao estrutural-funcionalismo

    Quarto mapa conceitual: Autoridade e poder na organização

    Quinto mapa conceitual: O trabalho em saúde
    Tecnologias leve, leve-dura e dura
    Trabalho vivo Trabalho morto
    Trabalho imaterial
    Trabalho interprofissional
    Prazer e sofrimento no trabalho

    Análise institucional : de volta ao segundo mapa



  • Referências

    Cecilio LCO e Lacaz FAC O trabalho em saúde. In: Temas Fundamentais da Reforma Sanitária. Rio de Janeiro: Cebes, 2012 p. 07 - 35 http://cebes.org.br/site/wp-content/uploads/2015/02/7O-Trabalho-em-Saúde.pdf Cecilio LCO, Carapinheiro G, Andreazza R. (orgs). Os mapas do cuidado: o agir leigo na saúde. São Paulo: Hucitec, 2014 p. 114-159.
    Matus C. Adeus, senhor presidente. São Paulo: Ed. Fundap, 2007. P.50-56
    Merhy EE Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Editora Hucitec, 2005. P. 149- 178
    Altoé S. (Org). René Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004.
    Lourau R. René Lourau na Uerj-1993- Análise Institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.
    Carapinheiro G. Saberes e Poderes no Hospital, para uma sociologia dos serviços hospitalares. Porto: Edições Afrontamento, 1993
    Filleu MG, Marques-Ripoul C. Teorias da organização e da Empresa: das correntes atuais `s prá Oieras PT: Celta. 2002.
    Morgan G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas. 2016
    Gaulejac V Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Editora Ideias &letras. 2015.
    Cecilio LCO : A micropolítica do hospital: Um itinerário ético-político de intervenções e estudos. 2007. 266f. Tese (Livre Docência em Política, Planejamento e Gestão em Saúde no Departamento de Medicina). Escola Paulista de Medicina. Universidade Federal de São Paulo.
    Ceclio LCO, Moreira ME. Disputa de interesses, mecanismos de controle e conflitos: a trama de poder nas organizações de saúde. RAP. 36(4): 587-608. 2002.
    Foucault M. Microfísica do Poder. São Paulo: 2010 [28o.reimpressão]
    Cecilio LCO  O trabalhador moral na saúde: reflexões sobre um conceito. Interface 11 (22): 345-351, 2007 Merhy E, Onocko R. (Orgs.). Agir em saúde: um desafio para o pum desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997.
    Dejours, C; Abdoucheli, E; Jayet, Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho”. São Paulo: Atlas. 1994
    Baremblitt G. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes. Teoria e Prática. Rio De Janeiro: 3a ed. Rosa dos Tempos, 1996
    Guizardi FL, Lopes MR, Cunha MLS Contribuições do movimento institucionalista para o estudo de políticas públicas de saúde. In: In: Mattos RA, Baptista TW (org). Caminhos para análise das políticas de saúde. Rio de Janeiro; ENSP, IMS, FAPERJ; 2011.
    •  

    © 2013 - 2020. Universidade Federal de São Paulo - Unifesp

    Campus São Paulo - Rua Botucatu, 740 - 4º andar - sala 404 - Vila Clementino, São Paulo - SP - ppg.saudecoletiva@unifesp.br

    Please publish modules in offcanvas position.